Parceiros


Quer fazer uma PARCERIA? Agora é facil, clique aqui

14 de jan de 2009

Entrevista: Gustaveira

Ola a todos amigos do PCPRONTO, chega o momento de mais uma entrevista, agora o entrevistado é outro dinossauro do mundo RPGístico, um grande amigo, que tenho orgulho de entrevistar, com vocês, GUSTAVEIRAS.

===================================

DADOS DO ENTREVISTADO

Nome: Gustavo Apelido: Gustaveira

Ano de Nascimento: 1977
Começou a Jogar RPG em que ano: 1994
Estado: SC Cidade: Florianópolis

===================================

ENTREVISTA

1.Fale um pouco sobre você.
Sou analista de sistemas e jogo RPG há mais de 15 anos, mestrando boa parte do tempo. Gosto da cumplicidade de um grupo de amigos que decidem se juntar por horas ao redor de uma mesa, ouvindo e contribuindo para uma história. Gosto muito de ler e sempre consigo tirar idéias a respeito de meus próximos personagens e campanhas de livros que li. .

2.Quais seus 3 Sistemas Preferidos de RPG (em ordem de preferência).
- GURPS 3ª Edição
- Polan (criação minha e do Mestre Meyer, inacabado
- D&D

3.Quais suas opiniões sobre os seus 3 sistemas preferidos, conte um pouco sobre as vantagens e desvantagens de cada um dos sistemas.
GURPS, bastante genérico. Qualquer coisa pode ser jogada com GURPS. É um sistema muito bom, porém tende a ser cansativo para o novo jogador que não está acostumado com a lógica do sistema.

POLAN, criado para ser utilizado no gênero Fantasia-Medieval, esse sistema procurou usar as melhores práticas de outros sistemas acessíveis como GURPS e D&D. Sua vantagem e desvantagem é que utiliza um sistema de 2 D10 para as rolagens - isso possibilita uma análise probabilística mais fácil de ser percebida (já que os valores obtidos com os dois dados varia de 00 a 99) mas também oferece alguma dificuldade extra na hora de perceber os resultados.


D&D, o sistema d20 adotado visa facilitar as rolagens, livros muito bonitos e detalhados.


4.Quais seus 3 Gêneros preferidos de RPG (em ordem de preferência).
- Fantasy
- Vampir
e
- Cyberpunk

5.Quais suas opiniões sobre os seus 3 gêneros preferidos, conte o porque esses determinados gêneros ganharam sua preferência.
Livros da série Senhor dos Anéis, os livros de vampiro da Anne Rice e Drácula de Bram Stoker e sempre gostei de ficção científica (ou quase!).

6.Como era sua vida RPGística a muito tempo atrás, quando você começou. (Sensação, Amizades, Interesse, Disponibilidade, Tempo Dedicado, Importância, Sessões, etc.)
Dedicava muito tempo a esse hobbie, seja estudando ou pesquisando a respeito, seja jogando. As atividades RPGísticas eram o foco dos finais de semana, e muitas vezes ocorreram sessões relâmpagos as duas ou tres da manhã. Havia tempo e muita disposição de todos, então, tudo se arranjava.

7.Como será sua vida RPGística daqui a muito tempo a frente, quando você estiver mais velho.
Muito provavelmente as sessões de jogo em mesa serão uma coisa cada vez mais escassa. Hoje já é assim. As sessões têm de ser combinadas com antecedência com todos, pois todos os jogadores têm família e/ou compromissos pessoais.

8.Coisas boas que o RPG te trouxe.
Principalmente, uma melhoria na capacidade de expressão. Outras coisas interessantes foram uma melhor resposta a estímulos e adaptação a cenários. Penso que é um excelente exercício de criatividade e raciocínio

9.Coisas ruins que o RPG te trouxe.
Um certo estigma de pessoas que generalizam a situação e somente vêem aspectos negativos como, por exemplo, taxando RPG como fuga da realidade.

10.Conte seu personagem mais marcante.
Existem diversos. Praticamente todos os personagens têm características que se assemelham ao algum ideal pessoal. Não é incomum uma relação pessoal muito marcante com os personagens, todos acrescentam algo. Vampiros, Elfos, Anões, Humanos, todos foram marcantes a um ponto. Mas, talvez um dos mais marcantes foi Karaz, um anão guerreiro teimoso como uma mula e forte como um touro. O que o elegeu como mais marcante é que ele foi o personagem da campanha de teste do sistema que eu e o Mestre Meyer criamos, também é marcante o fato dele ter sido abençoado como Semi-Deus daquele mundo e o Mestre Meyer NUNCA ter feito essa narrativa.


11.Conte 3 cenas inesquecíveis para você.
Em sua primeira aventura, o anão Karaz estava perdido na Floresta Negra (uma floresta onde a luz do sol não toca o chão, com árvores que se mexem de maneira traiçoeira a levar o andarilho por caminhos tortuosos até sua trágica morte e cujas raízes agarram os pés dos desavisados roubando-lhes tempo, mantimentos e pertences) acha um lendário Machado de Duas Mãos que era de um príncipe e que estava sumido por gerações. Depois de um combate com aranhas gigantes o anão perde o machado. Frustrado, faminto, cansado o anão decide procurar uma última vez e (mediante um sucesso decisivo) acha o machado. Neste momento, desconsidera todas as orientações de manter silêncio e dá um berro de felicidade que ecoa pela floresta trazendo mais companhias indesejadas.

12.Conte sobre 2 campanhas que mais lhe marcaram.
A primeira campanha que joguei com o Sabat, seita inimiga da Camarilla, do jogo Vampire: the Masquerade (Narrada pelo Mestre Meyer). Essa campanha foi muito interessante pois na época não jogava há algum tempo e fiz amizades que mantenho até hoje.

13.Conte sobre uma cena / situação engraçada que você tenha vivenciado numa sessão de RPG.
Ao longo de tantos anos de rolagem de dados, seria injusto elencar uma somente, especialmente por que muitas das cores presentes na cena somente são vivas na cabeça dos jogadores que estavam jogando.

14.Para você, cite 5 boas práticas em uma sessão de RPG para o MESTRE:

- Saber ouvir os jogadores;
- Ter uma idéia clara da situação do grupo (onde e como está);
- Planejar com antecedência os cenários, encontros, NPCs e trama da sessão;
- Saber um mínimo das regras do sistema
;
- Buscar fazer com que os jogadores se superem durante a sessão.

15.Para você, cite 5 boas práticas em uma sessão de RPG para o JOGADOR:
- Saber ficar quieto, ouvindo o que está acontecendo;
- Não misturar situações e conhecimentos de jogo, com situações e conhecimentos adquiridos fora da mesa de jogo;
- Sempre pensar como personagem, fazendo-se a pergunta: "se eu fosse esse personagem nessa situação, o que eu faria?"
;
- Buscar trazer para a mesa de jogo somente o que é indispensável ao jogo;
- Estimular a todos a uma melhor representação e cobrar do mestre uma boa narrativa;

1 comentários:

Mestre Meyer disse...

Sobre:
"é marcante o fato dele ter sido abençoado como Semi-Deus daquele mundo e o Mestre Meyer NUNCA ter feito essa narrativa."

Você vai me perseguir pro resto da tua vida falando isso né GUSTAVEIRA :P

uahuAHuHAuHAUHAuHAu

So pra galera entrar mais no assunto, eu narrei (longamente e detalhadamente) a jornada de cada personagem virando um Semi-Deus... de todos menos do nosso amigo entrevistado (e indignado) Gustaveira ><

Que Infâme que Sou !!!

AUhUAHuHAuhUAuHaUHA

 
© 2007 Template feito por Templates para Você